Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

+VIDA - Projetos

+VIDA - Projetos

Elementos Químicos Essenciais para o Ser Humano

16.04.18 | Nuno Martins

Introdução

   

Elementos_que_formam_o_corpo.jpg

 

Existem diversos elementos químicos no corpo do ser humano. Eles são essenciais para o bom funcionamento do nosso organismo. A ausência ou deficiência destes elementos podem gerar um funcionamento inadequado do organismo, gerar doenças ou até mesmo levar o indivíduo à morte. Muitos destes elementos químicos são obtidos através dos alimentos e da água que bebemos.

  Temos os elementos maioritários, como o oxigénio e o hidrogénio, que formam a água e elementos traço, como o ferro, que transporta o oxigénio na hemoglobina.

 

Principais elementos químicos presentes no corpo humano

  Elementos Maioritários

 

  • Oxigénio (65%) e Hidrogénio (10%)

  O oxigénio compõe 65% do organismo humano. Juntamente com o Hidrogénio , formam a água que constitui 60 % do corpo Humano.

  • Carbono (18%)

  O carbono é um dos elementos mais importantes para a vida. A partir de ligações de carbono, que se podem formar e romper com uma mínima quantidade de energia é que se possiblita o dinamismo da química a nível celular.

  • Nitrogénio (3%)

  Presente em muitas moléculas orgânicas, o nitrogénio constitui 3% do corpo humano. Encontra-se, por exemplo, nos aminoácidos que formam as proteínas e nos ácidos ribonucleicos do nosso ADN.

  • Cálcio (1,5%)

  Dos minerais que compõem o organismo, o cálcio é o mais abundante e é vital para nosso desenvolvimento. Encontra-se ao longo do corpo, nos ossos e nos dentes. É muito importante na regulação das proteínas.

  • Fósforo (1%)

  O fósforo também é muito importante para as estruturas ósseas. Predomina nas moléculas de ATP (armazenador de energia) proporcionando energia para as células.

  • Potássio (0.25%)

      Apesar de ocupar apenas 0,25% de nosso organismo, o potássio é vital para o funcionamento do organismo. Ajuda na regulação das batidas do coração e a transmissão de impulsos nervosos.

 

  • Enxofre (0,25%)

  O enxofre é essencial na química de muitos organismos. Encontra-se nos aminoácidos e é fundamental para formar as proteínas.

  • Sódio (0.15%)

      Trata-se de outro eletrólito vital no que se refere a sinalização elétrica dos nervos. O sódio também regula a quantidade de água no corpo, sendo um elemento essencial para a vida.

 

  • Cloro (0.15%)

  O cloro normalmente encontra-se no corpo humano como ião negativo. É um eletrólito importante para manter o equilíbrio de líquidos no organismo.

 

  Elementos traço 

(em menor quantidade mas essenciais)

  • Ferro (0.006%)

    É fundamental no metabolismo de quase todos os organismos vivos. Encontrado na hemoglobina, é o transportador de oxigênio nas células vermelhas do sangue.

  • Zinco  

   É um elemento químico essencial para o corpo humano: intervém no metabolismo de proteínas e ácidos nucleicos, estimula a atividade de mais de 100 enzimas, colabora no bom funcionamento do sistema imunológico, é necessário para cicatrização dos ferimentos, nas percepções do sabor e olfato e na síntese do ADN

  • Cobre

   O cobre é um elemento essencial à vida em geral, participando no caso do organismo humano no processo de fixação do ferro na hemoglobina do sangue. Grandes concentrações são encontradas no cérebro e fígado.

  • Bromo

   Considerado um elemento químico essencial, no entanto ainda não se conhece exatamente as funções que realiza.

  • Selénio

    Ajuda a neutralizar os radicais livres, estimula o sistema imunológico e intervém no funcionamento da glândula tireoide. Está no aminoácido selenocisteína.

 

 

 

Genética- Princípios morais e alterações genéticas

09.04.18 | Nuno Martins

Introdução à genética

c98e3810d408a57b795f6a7a1a921048.jpg

   A genética é a ciência dos genes, da hereditariedade e variação dos microrganismos. Pode ser descrita como um ramo da biologia que estuda a transmissão de informações genéticas sobre a constituição do ADN dos organismos.

   Começou a ser estudada por Gregor Mendel, em 1864, quando começou a analisar os padrões de hereditariedade com ervilhas. Desde Mendel essa área não parou de se desenvolver, passando por James Watson e Francis Crick que, em 1953, mostraram que a base da informação genética são ácidos nucleicos, e chegando até a engenharia genética atual.

   A engenharia genética trabalha com a manipulação de genes e, consequentemente, com a combinação entre genes de organismos diferentes. Inicialmente as experiências envolviam a manipulação do material genético de plantas e animais, transferindo-os para organismos de crescimento rápido, como leveduras e bactérias. Materiais que eram obtidos de plantas e animais em pequenas quantidades, já podem ser produzidos em grande escala, por meio de organismos recombinantes (sequência de ADN artificial que resulta da combinação de diferentes sequências de ADNs).

 

Alimentos geneticamente modificados e transgénicos

alimentosmodificados.jpg

 

ambiente de trabalho.jpg

 

   Alimentos geneticamente modificados são aqueles que sao manipulados geneticamente, de modo a favorecer características desejadas, como a cor, o tamanho, a acidez, entre outros... 

   Os alimentos transgénicos têm o mesmo conceito que os geneticamente modificados, mas só são considerados transgénicos quando se introduz o código genético de outra espécie.

  Todos os transgénicos são OGM , porém nem todos os OGM são transgénicos.

  A técnica da transgenia tem como objetivo principal selecionar plantas e animais mais resistentes a doenças, pragas, agrotóxicos e mudanças climáticas, e que sejam também mais nutritivos e produtivos. O milho e a soja estão entre os alimentos mais consumidos de origem transgénica.

 

Problemas bioéticos

   Desvantangens:

  •   Efeitos tóxicos a partir da síntese de substâncias indesejáveis. Isso pode ocorrer devido a uma perda no controle de alimentos transgénicos, fazendo com que outros alimentos sejam afetados,  o que prejudicaria outras espécies de plantas, além de animais, causando um desequilíbrio ecológico com consequências imprevisíveis.

 

  •   O lugar em que o gene é inserido não pode ser controlado completamente, o que pode causar resultados inesperados, uma vez que os genes de outras partes do organismo podem ser afetados.

 

  •   A falta da variabilidade genética leva a uma maior vulnerabilidade do cultivo porque a invasão de pestes, doenças e ervas daninha sempre é maior em áreas que plantam  o mesmo tipo de cultivo, o que pode vir a ocorrer em cultivos de plantas transgénicas. Quanto maior for a variedade genética no sistema da agricultura, mais este sistema estará adaptado para enfrentar pestes, doenças e mudanças climáticas que tendem a afetar apenas algumas variedades.

 

  •   A alteração na quantidade de nutrientes do alimento, pode interferir na sua absorção pelo metabolismo do homem.

   Vantagens:

  •   Por meio da técnica de alimentos transgénicos pode-se enriquecer os alimentos com componentes nutricionais essenciais que as vezes a planta não produz ou produz em baixa quantidade. Um exemplo disso seria um feijão geneticamente modificado com a inserção de um gene da castanha com a intenção de que o feijão passe a produzir metionina, um aminoácido de extrema importância em nossa vida.Pode-se também retirar algum componente do alimento. Um bom exemplo seria a retirada da lactose do leite.

 

  •   Balanço nos nutrientes do alimento, proporcionando uma melhor dieta no consumo do mesmo.

 

  •   Reduzir ao máximo o uso de agrotóxicos, e se possível chegar a eliminar a necessidade da utilização dos mesmos. Com isso, a planta , pode ficar mais resistente a ataque de insetos, e processos naturais como a seca e geada. Isso garante estabilidade dos preços e custos de produção.

 

  •   Aumentar o prazo de validade do alimento.